PERSONALIDADES MARCANTES
MARIA CÂNDIDA DE PAIVA LISBOA (D. Sinhazinha Lisboa)
( 27-09-1877   28-11-1949)

Dona Sinhazinha Lisboa, era como os nossos conterrâneos da primeira metade do século XX conheciam essa exemplaríssima dona de casa, personificação da bondade, do humanitarismo cristão e da virtude, senhora de porte de rainha, de natural garbo de nobreza, reflexos da fidalguia da cordialidade, da realeza da benemerência e da majestade da alma acrisolada pela filantropia.

Nasceu Maria Cândida em Pedralva, então Pedra Branca, filha do Cel. Gaspar José de Paiva (18-07-1838; 10-01- 1910) e de D. Ana Cesária de Abreu Paiva (filha de Joaquim Machado de Abreu). Eram cinco os irmãos de Dona Sinhazinha Lisboa: Gaspar José de Paiva Júnior, farmacêutico (Pazito); José de Abreu Paiva (Zezé); D. Orlinda de Paiva Macedo, casada com o Dr. Joaquim Sebastião Macedo (que fora Juiz de Direito da Comarca de Cristina); D. Ana Sebastiana de Paiva Carneiro (D. Nicota); e D. Maria do Patrocínio de Paiva.

D. Maria Cândida de Paiva Lisboa (Dona Sinhazinha) casou-se com o médico Dr. Antônio Maximiano Xavier Lisboa, em Pedra Branca, hoje Pedralva, em 30 de julho de 1892, na mesma data em que também se casou sua irmã D. Orlinda de Paiva Macedo. O jornal itajubense "A Verdade", de 06-08-1892, noticiou o casamento destas duas filhas do Cel. Gaspar José de Paiva. Um dos padrinhos das noivas foi o seu irmão Pazito; e dos noivos foram o Dr. Delfim Moreira da Costa Ribeiro e Dr. Alexandre Stockler Pinto de Meneses.

E vieram os filhos dessa Pérola de Pedralva que foi Dona Sinhazinha Lisboa, pertencente a uma das mais distintas e tradicionais famílias pedralvenses. Deixando a sua aprazível Pedra Branca, veio residir em nossa cidade, onde clinicava seu benemérito esposo, o sempre lembrado Dr. Xavier Lisboa. Quando se aproximavam os seus partos, ela ia para Pedralva, para dar à luz os seus rebentos, no aconchego de sua mãe. Assim, seus filhos, itajubenses de criação, foram pedralvenses de berço.

Tiveram os seguintes filhos: Dr. Irineu Lisboa (25-03-1894), médico; Irene Lisboa (26-10-1895), falecida com poucos meses de vida em 23-03-1896, sepultada em Pedralva (Segundo "A Verdade" de 28-03-1896); Dr. Justino Lisboa (02-12-1897), engenheiro pelo então Instituto Eletrotécnico e Mecânico de Itajubá, ora EFEI, com a turma de 1918; Dr. Gaspar Lisboa (02-05-1900), médico; D. Ana Lisboa Sanches (Anilha) (1902), casada em 19-03-1922 com o Dr. Vicente Sanches; Geralda Lisboa, falecida com apenas 36 dias de vida em 21-08-1908; D. Inocência Lisboa Carvalho (10-03-1910), farmacêutica, casada em 11-05-1932 com Alberto de Carvalho; um recém-nascido, sepultado em 05-04-1915; Antônio Magalhães Lisboa (1917), casado em Brasópolis, em 21-02-1944, com D. Maria Helena Rennó Gomes.

Dona Sinhazinha Lisboa foi uma pessoa sobremaneira admirável. Toda Itajubá a estimava. Os pobres a veneravam. Seus contemporâneos reconheciam-lhe os méritos de alma de santa, de mãe modelar, de esposa digna e devotada ao lar, de promotora de eventos de religiosidade, de benemerência e de congraçamento social. Todos procuravam a sua cativante amizade, e não houve quem não sentisse profundamente sua partida naquele lutuoso novembro de 1949.

Documento sem título