PERSONALIDADES MARCANTES
MENOTTI CHIARADIA
( 03-04-1907   07-09-1955)

Memorável empreendedor do progresso, Menotti Chiaradia nasceu em Piranguçu, mas desde a adolescência passou a residir nesta cidade, onde afanosamente se entregou aos seus propósitos de engrandecer, com o trabalho, a perseverança e o idealismo sadio, a área das atividades que originaram a prosperidade e os maiores recursos para o torrão em que viveu. Era ele filho de Vicente Chiaradia e de D. Rufina Cardoso Chiaradia.

Trabalhou desde menino no estabelecimento comercial de seu pai, então a única loja existente em Piranguçu. Aos 17 anos, vindo para Itajubá, foi o gerente da fábrica de massas alimentícias de seu pai, próspero comerciante e industrial, denominada "Pastifício Itajubense", que existiu na Avenida Cel. Carneiro Júnior, n.311.,

Trabalhava e também estudava, frequentando colégios. Menotti, ainda muito moço, com 23 anos, decidiu construir seu lar e a família, casando-se, em 14-05-1930, com D. Lydia Marcaccini Chiaradia, natural de Ouro Fino, filha de Pio Secondo Mareaccini e de D. Assunta Santini Marcaceini. D. Lydia faleceu em 14-02-1966, com 55 anos.

Dessa união nasceram-lhes os seguintes filhos: D. Elza (20-07-1931), casada em 06-02-1969 com Geraldo José da Silva Filho; D. Eunice (26-03-1933); D. Edm�ia (04-03-1936), casada em 20-12-1956 com Geraldo Seixas de Siqueira; D. Eleny (19-07-1942), casada em 10-07-1971 com João Décio Berti; Edvando (18-10-1945), falecido com 7 anos em 14-03-1953; e Menotti Chiaradia Filho (12-06-1951).

Falecido o extremoso pai, os filhos venderam a fábrica de macarrão ("Pastifício Itajubense") e Menotti Chiaradia assumiu a gerência da loja "Auto Peças" de seu amigo Ítalo Mandolesi, conseguindo, com seu tino comercial, a concessão da GM (General Motors) para se tomar, a firma que gerenciava, a revendedora dos automóveis CHEVROLET em Itajubá. Alguns anos mais tarde, Menotti montou seu próprio estabelecimento para o comércio de peças para automóveis, permanecendo nesse ramo comercial até seu falecimento, em 1955.

Menotti Chiaradia está vinculado á história da aviação em Itajubá, cidade que ele tanto amou, e que sempre desejou vê-la "pra frente" em seu progresso. Incentivando alguns companheiros também entusiastas da aeronáutica o da prosperidade de nossa terra, com eles fundou o Aeroclube de Itajubá, na várzea de Adriano Piazarolli, hoje aproveitada para o Distrito Industrial.

Era seu desejo, e muito trabalhou para isso, ver aquela veiga transformada em um moderno aeroporto, permitindo aterragens e decolagens de aviões maiores, de modo a favorecer linhas aérea de empresas que nos facultassem viagem aos grandes centros. E enquanto dispunham apenas dos obsoletos e diminutos teco-tecos, trataram de construir um hangar e de incentivar a formação de pilotos, o que nosso frustrado Aeroclube ainda conseguiu.


Esse sonho de progresso de Menotti Chiaradia, de um aeródromo intermunicipal de Itajubá, neste primeiro ano do século XXI ainda está á espera de que tenhamos outros realizadores, da mesma t�mpera construtiva de Menotti Chiaradia, para ser tomado em realidade...

Documento sem título