PERSONALIDADES MARCANTES
RUBENS DÁRIO FUCHS - Prof.
( 05-12-1925   19-05-2002)

Engenheiro eletricista, diplomado com a turma de 1951 do então Instituto Eletrotécnico de Itajubá (IEI), ora Universidade Federal de Itajubá. Filho de Adhemar Fuchs e de Irene Fuchs. Estimado e competente Professor da UNIFEI,de 1968 a 1991.

Neto de alemães (avós paternos) e de suíço (avô materno). Fuchs nasceu em São Paulo mas foi criado na cidade de Blumenau-SC. Nessa cidade fez os cursos primários e ginasial, em colégio de formação germânica, fato que aliado à sua origem exerceu grande influência no seu perfil de jovem e, mais tarde, de profissional. Voltou a São Paulo para fazer o Tiro de Guerra, onde cursou até o 2º anos do chamado Curso Científico. O 3° ano foi feito em Itajubá, já com o objetivo de prestar o vestibular para o então I.E.I, influenciado por amigos catarinenses que lá tinham se formado ou ainda estudavam. Este foi o caso de Harro Stamm, que pode ser considerado o mentor de sua ida para Itajubá e que o levou para morar na República OK, que abrigava os "barrigas-verdes" como eram chamados os procedentes de Santa Catarina.

No I.E.I. Fuchs foi sempre um excelente aluno e amigo de todos. Quando, em 1949, a Escola contratou o engenheiro ucraniano Roman Kulynycz, egresso da Escola Técnica de Viena, como professor de Eletrotécnica, Fuchs, que cursava o 3° ano, se tomou seu grande colaborador e intérprete. Foi ainda, Monitor das cadeiras de "Medidas", "Maquinas de Corrente Alternada (Laboratório)", "Calculo e Construção de Máquinas.

Desde cedo Fuchs identificava sua vocação para o magistério. No entanto, ao se formar já era de opinião que deveria complementar sua formação acadêmica ingressando no mercado de trabalho, para que mais tarde pudesse melhor transmitir seus conhecimentos e orientar seus alunos.

Inicialmente trabalhou nas Indústrias Matarazzo. Para dar continuidade à formação que planejara foi para os Estados Unidos fazer pós-graduação na Universidade de Minesotta, curso que lhe foi custeado pelos pais.

De volta ao Brasil foi trabalhar na Techint Engenharia. Mais tarde, juntamente com seu grande amigo Ângelo Cuomo, professor da USP, criou a CUOMO e FUCHS, empresa que ganhou grande respeito na área de projetos e montagem de Linhas de Transmissão.

Iniciou sua carreira no magistério como professor da Escola de Engenharia de São Carlos, paralelamente a de profissional da área da engenharia.

Encontrando-se em uma fase profissional ideal para colocar em prática seu antigo sonho de se dedicar ao magistério. Fuchs aceitou convite que lhe foi feito pela EFEI e ingressou como seu professor titular em 1968, onde permaneceu até se aposentar em 1991. Durante sua permanência na Escola participou de diversas bancas de mestrado e de concurso para docentes, foi coordenador e chefe de vários laboratórios, a exemplo do Controle e Servomecanismo e chefiou várias Divisões e o Departamento de Eletricidade.

Professor respeitado, não só pela sua competência técnica e didática, mas também pela disciplina e princípios morais que sempre transmitiu aos seus alunos, tornou-se reconhecido por todos como um exemplo deprofessor. v

No dia 30 de março deste ano (2002) participou de evento promovido pela ADEFEI Nacional e ADEFEI Regional Itajubá, quando lhe foi prestada homenagem pelos relevantes serviços prestados à Escola e à Engenharia nacional.

Viúvo de Lone Faria, casou-se com Magda, que tem sido sua inseparável companheira por tantos anos. Fuchs deixa a esposa Magda de Mello Fuchs que é formada pelo Curso Normal do Colégio Sagrado Coração de Jesus de Itajubá, e cinco filhas: Cecília, da turma de 75 de Engenharia Mecânica da EFEI; Celina, Psicóloga; Célia, Engenheira Eletricista da turma de 83 da EFEI, atualmente na ANEEL; Annelisa, formada por Artes Plásticas; e Danielle (falecida), formada em História e Sociologia.

Documento sem título