Include Header
Menu
Principal
Start First Second Third End
O seu portal de informações de Itajubá
Menu Principal Documento sem título
HISTÓRIAS DE ITAJUBÁ
Fundação de Itajubá

Fundada no dia 19 de março de 1819, emancipada do Município de Campanha, como Vila e elevada à categoria de cidade no dia 27 de setembro de 1848, a abrangência dos seguintes territórios: a “ freguesia de mesmo nome” (que abrangia o atual município e Piranguçú), Cristina (Espírito Santo do Cumquibus), Pedralva (São Sebastião da Capituba), Brasópolis (São Caetano da Vargem Grande) e Delfim Moreira (Soledade de Itajubá). Pouco tempo depois esses territórios foram se desmembrando de Itajubá.


No dia 04 de outubro de 1862, Itajubá, diferentemente do que aconteceu com outras cidades da região, não nasceu da ação de bandeirantes e nem de sesmeiros em suas terras, mas, sim da visão do Padre Lourenço da Costa Moreira.


Passada a 'febre do ouro', Soledade de Itajubá - hoje Delfim Moreira - começou a decair e muitas famílias começaram a abandonar a cidade. O vigário local, padre Lourenço da Costa Moreira, sabendo que o clima era impróprio para o desenvolvimento da lavoura, conclamou os moradores para buscarem novas paragens, que fossem mais propícias para o desenvolvimento.


Na noite de 17 de março de 1819, o Vigário reuniu, na Matriz, os fiéis que o seguiriam. Na manhã do dia 18, após a missa, a caravana composta por 80 famílias rumou para as margens do Rio Sapucaí e iniciaram a histórica descida. Eram os pioneiros da nova Matriz, que partiam com a missão de fundar a 'nova' Itajubá.


Aos primeiros lampejos da alvorada do dia seguinte, a caravana contornou um outeiro. O padre Lourenço determinou o desembarque, examinou o local e do alto do Ibitira ( segundo denominação dos Puri-Coroados, primeiros moradores do lugar), deslumbraram a região, que o padre achou excelente para fundação do novo povoado e a sede da freguesia.


Os homens roçaram uma clareira ao alto, nela armaram um altar, um cruzeiro e o padre Lourenço celebrou a primeira missa na aprazível paragem. Era o dia 19 de março de 1819, dia consagrado a São José e estava fundado o arraial, hoje Itajubá. O local da primeira missa é exatamente onde está a Igreja matriz Nossa Senhora da Soledade, Padroeira da cidade.


Constatando que naquela região, chamada de Boa Vista do Sapucaí, existiam algumas fazendas nas imediações, bem distantes uma das outras, embora não se tenha com exatidão a existência de um arraial ou início de um povoado, o padre Lourenço foi ao encontro dos fazendeiros já existentes na região, expondo-lhes o seu desejo de transferir a sede da Freguesia para aquele local e construir uma capela, encontrando total apoio dos fazendeiros, que acolheram aos homens da expedição, dando-lhes abrigo provisório, além de fornecer material e escravos.


De imediato, foi dado início ao povoado, com a construção das primeiras casas de pau-a-pique nas imediações do outeiro, abertura de uma praça e algumas ruas, em terras doadas por Francisco Alves, o primeiro benfeitor do povoado. A navegação pelo Rio Sapucaí começou logo, o que proporcionou o desenvolvimento do povoado. Era por meio de barcas que chegavam as mercadorias procedentes do Oeste.


Os moradores de Soledade de Itajubá, que não seguiram Padre Lourenço, logo que tomaram conhecimento da prosperidade do novo povoado, ficaram revoltados, protestaram contra essa atitude e exigiam a sua volta. Entretanto, o Padre Lourenço, não só não voltou, como conseguiu junto às autoridades eclesiásticas e governamentais a elevação do Arraial à categoria de Curato e, logo em seguida, de Freguesia e conseguiu, ainda, das autoridades de Ouro Preto, então capital da Província, que o nome de Itajubá se transferisse para o novo povoado.


Em 1832, o sacerdote organizou uma procissão até Soledade de Itajubá (hoje, Delfim Moreira), com o propósito de trazer de lá as alfaias, os paramentos e a imagem de Nossa Senhora da Soledade.


Como o fato chegou ao conhecimentos dos moradores que ficaram na antiga sede, homens armados esperaram a procissão no meio do caminho, impedindo que a caravana obtivesse êxito em seus objetivos. O local de refrega ficou, até hoje, conhecido com o nome de "Encontro".


Não dado por vencido, o Padre Lourenço mandou esculpir uma imagem igual a da Matriz Velha, substituindo, assim, a imagem de São José pela de Nossa Senhora da Soledade, escultura que até hoje se conserva naquela Matriz.


As famílias construtoras de Itajubá, as primeiras chegadas com o fundador e outras vieram de Capivari, Pouso Alto, Aiuruoca, Guaratinguetá, São Bento do Sapucaí e de outras terras mineiras ou paulistas e, ainda, os imigrantes, principalmente os portugueses e italianos, completaram a obra iniciada pelo Padre Lourenço.


Naqueles anos Itajubá atinge um desenvolvi-mento de grandes proporções, considerados os aspectos da época. Em 1848, o Arraial da Boa Vista do Sapucaí, com apenas 29 anos de existência, apresentava um progresso urbanístico e vida social que surpreendiam os próprios moradores do local e se tornara Freguesia da Boa Vista do Sapucaí ou Boa Vista do Itajubá, até então pertencente ao município de Campanha.


No dia 27 de setembro deste ano, o jovem e dinâmico Dr. Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, apresenta projeto de emancipação política da Freguesia, o que se dá através da Lei nº 355, com a qual o Presidente da Província concedeu a elevação, ficando Itajubá desmembrada de Campanha. Elevada à condição de Vila, 14 anos mais tarde, com a Lei nº 1.149, de 04 de outubro de 1862, passava à categoria de Cidade.


A libertação dos escravos, em Itajubá, foi antecipada em dois meses, acontecimento que teve repercussão nacional, chegando a merecer do abolicionista José do Patrocínio a denominação de "Cidade Luz".


Nos anos 20 e 30, a cidade já abrigava indústrias de razoável porte e de capital local, havia o Banco de Itajubá, a Cia. Sulmineira de Eletricidade. Itajubá foi considerada a "Manchester Sulmineira".




Links

MAPA DE ITAJUBÁ

LINKS

Documento sem título